quarta-feira, fevereiro 11, 2009

O sentido da vida

Acho que toda a minha imaginação empenhou-se, literalmente, no umbigo. Tudo o que o produzo é pra o bebê que cresce-se Francisco ou Alice cá nesta barriguinha já avantajada. As leituras tb andam se voltando pra gestação, parto, os processos todos que envolvem fazer-se mãe, enfim... Tudo isso é uma forma de dizer que os textos daqui talvez revelem um caminho diferente do que os seus irmãos mais velhos, que o olhar, talvez, por hora, veja outros aspectos que não costumo observar com tanta atenção...

Pra abrir os trabalhos, achei bacana compartilhar um trecho do roteiro d'O sentido da vida, do Monty Python, que sintetiza com humor o porquê de minha declarada escolha em esperar e me preparar pra um parto normal e domiciliar.

****

O Milagre da Vida

Monty Python


Cena: O Milagre da Vida.

Corredor de Hospital. Uma parturiente é levada apressadamente pelo corredor, deitada sobre uma maca que tromba violentamente contra várias portas de vai-e-vem. Parturiente e enfermeira passam para uma sala de consulta, onde dois médicos tentam acertar latas de cerveja vazias em um cesto de lixo.

Médico 1: CENTO E OITO!!

Enfermeira: As contrações da Sra. Moore estão mais frequentes, doutor.

Médico 1: Ótimo, ótimo. Leve-a para a sala do terror-fetal

Enfermeira: Certo.

Os três passam para sala de parto.

Médico 1: Está meio vazio isso aqui, não?

Médico 2: Siiiiiiiiim!!!!

Médico 1: Enfermeira, mais aparelhos, por favor!

Enfermeira: Sim, doutor.

Médico 1: Sim... O EEG, o Monitor BP, e o AVV, por favor.

Médico 2: E traga o aparelho que faz "Ping"!

Médico 1: E traga os aparelhos mais caros, para o caso do Diretor aparecer.

A sala de parto é inundada de aparelhos. A parturiente desaparece por trás de todo o equipamento.

Médico 1: Agora está melhor, bem melhor...

Médico 2: SIM!!! Agora sim!!

Médico 1: Mas ainda tem alguma coisa faltando... (Eles se concentram por um momento)

Médico 1 e 2 (em uníssono): Paciente?

Médico 2: Onde está a paciente?

Médico 1: Alguém viu a paciente ?!?

Medico 2: Paciente!

Enfermeira: Aqui! Achei!!

Médico 1: Traga-a aqui.

Médico 2: Cuidado com a máquna!

Médico 1: Chegue mais perto!

Médico 2: Pula pra cá... Upa!

Médico 1: Oi! Não se preocupe que está tudo bem.

Médico 2: Nós vamos curá-la.

Médico 1: Deixe tudo conosco, você não vai nem saber o que foi que aconteceu.

Médico 2: Tchauzinho... Tchauzinho.... Abram o soro!! Injeções!!!!

Médico 2: Posso por o tubo na cabeça do bebê?

Médico 1: Só se eu puder fazer a episiotomia.

Médico 2: OK.

Médico 1: Agora, pernas pra cima.

As pernas da paciente são colocadas nos estribos, enquanto os médicos abrem as portas em frente.

Médicos 1 e 2: Vão entrando, vão entrando... Alegria, alegria!! Entrem, entrem, espalhem-se por aí.

Entra uma pequena horda, a maioria médicos, mas entre eles dois japoneses com máquinas fotográficas e filmadora. O médico 1 esbarra em um homem.

Médico 1: Quem é você?

Homem: Eu sou o marido.

Médico 1: Sinto muito, mas apenas as pessoas envolvidas podem ficar aqui.

O Marido sai.

Sra. Moore: O que eu devo fazer?

Médico 2: Pois não?

Sra. Moore: O que eu devo fazer?

Médico 2: Nada meu bem, você não é qualificada.

Médico 1: Deixe conosco.

Sra. Moore: Para que é isso???

Ela aponta para uma máquina.

Médico 1: Essa é a máquina que faz "Ping".

A máquina começa a fazer "Ping".

Médico 1: Você viu? Isso significa que seu bebê ainda está vivo.

O Médico 2 aponta para outra máquina.

Médico 2: E essa é a máquina mais cara de todo o hospital.

Médico 1: Sim, e custou mais de 750.000 libras!

Médico 2: Que sorte a sua, hein??

Enfermeira: O Diretor está aqui, doutor.

Médico 1: Então rápido! Liguem toda a aparelhagem!!

Eles ligam. Tudo começa a piscar e bipar. Entra o Diretor.

Diretor: Bom dia, senhores.

Médicos 1 e 2: Bom dia, Sr. Pycroft.

Diretor: Hummm, muito bem!! (Parecendo impressionado) E o que é que vocês estão fazendo agora?

Médico 1: É um parto.

Diretor: Ah! E que tipo de coisa é isso?

Médico 2: Bom, é quando tiramos um bebê da barriga de uma mulher.

Diretor: É impressionante o que podemos fazer hoje em dia. Ah! Vejo que vocês estão com a máquina que faz Ping. Essa é a minha favorita. Olha so, nós alugamos essa máquina de volta da companhia para a qual havíamos vendido! Dessa forma ela entra como gasto do mês corrente, em vez de entrar na despesa geral. (Todos aplaudem). Obrigado.. Obrigado.. Nós tentamos fazer o melhor possível. Bem, por favor continuem.

Ele sai da sala.

Enfermeira: Oh! A vulva está dilatando, doutor.

Médico 1: Sim, aí está a cabeça. Sim, 4 centímetros, 5, seis centímetros.

Médico 1 e 2: Luzes! Amplifique a maquina de ping! Colocar as máscaras! Sucção! Lá vem ele!!!

O bebê chega.

Médico 1: E amedrontem-no!

Eles agarram o bebê, seguram-no de ponta cabeça, dão um tapa, põem tubos no nariz, esfregam-no com água fria. Daí o bebê é colocado sobre uma tábua de carne e o cordão é cortado com um cutelo.

Médico 1: As toalhas ásperas!

O bebê é seco com as toalhas ásperas.

Médico 1: Mostrem-no para a mãe.

Ele é mostrado à mãe.

Médico 1 e 2: Já está bom. Certo. Vamos sedá-la, numerem a criança. Meçam, façam a tipagem sanguínea e... isolem-no!

Enfermeira: Ok, o show acabou.

Sra. Moore: É menino ou menina?

Médico 1: Eu acho que é um pouquinho cedo para começar a impor papéis à pobre criança, não acha? Agora um conselhozinho. Você pode começar a perceber que está se sentindo irracionalmente deprimida. DPP como nós médicos chamamos. Então vou te dar um monte de pílulas felizes para você, e você pode descobrir tudo sobre o parto quando você chegar em casa. Está disponível em Betamax, VHS e Super 8.

Os médicos, a pequena horda, as enfermeiras, todos desaparecem, deixando a mãe com olhar perplexo, sozinha com a máquina que continua... Ping, Ping, Ping..


Copyright © 1983, The Monty Python Partnership.

9 comentários:

Alexein disse...

Eu nem nasci em Hospital. Não usaram a máquina que faz "Ping" em mim. Não deu tempo. E que bom que também não usarão na Alice.

Ah!Também sei de um livro que trata o sentido da vida por outros ângulos...
E pensando aqui, especulo se uma vida com sentido se torna mais sentida (mais significada) quando estamos próximos de nos tornar mamãe ou papai! O sentido da vida envolve construção de significados. Podemos descobrir a vida, e esta também pode nos encontrar. É gostoso pensar a sensação que esta especulação me causa: aprendo com a vida, e esta comigo. Você não precisa da imaginação para sentir a vida sendo tecida em ti (a vida que te procura), enquanto um novo sentido do existir lhe surge.

Um coração bate mais forte a cada manhã...

hires héglan disse...

não interessa se são diferentes dos outros: eu to muito feliz em ter os textos daqui de volta!
beijo
(to chegando!)

Leandro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Val disse...

Querida! Estou viva!*risos*
E soube da grande novidade pelo Marcus! Meus parabéns, receba meus saudosos beijos!!!

Leandro disse...

já ando fazendo campanha por partos humanizados por aí. Podes me ver, às quartas, por volta das 18:30, em cima de um banquinho na esquina democrática.


PS: assisti esses dias só essa cena do filme. Às vezes faço "ping", no meio da rua, sem motivo aparente. Assistamos uma hora dessas :D

Flora Valls disse...

a minha mãe me deu um livro esses dias, dizendo que é pra mim emprestar pra ti. então tá, né.

que amor, tu vai ter o/a nenê em casa.

Cinira d'Alva disse...

mas nao para de escrever nao, gosto das tuas coisas. e boa sorte no percurso. c.

Alexandre Valêntulus disse...

Tecendo vida ai? Criação que se refaz incessante.

Daniê Kitsch. disse...

Eu ainda prefiro o Calice Sagrado. :B
Nhammy!Saudade(um tiquinho, tá?) do CApHell.
Saudade dos professores amadinhos e de algumas pessoinhas, enfim...
Quero só ver as fotos do bebê. :~~
:****