terça-feira, agosto 29, 2006

Como dizer o que não pode ser dito?
Como cantar se já não há asas?
Como apagar o que nem foi escrito?

Se não há mais tempo, como acertar os ponteiros?

Como descobrir os corpos se não houve despedida?
Como achar o norte se morreram as rosas?
Como sorrir se tudo é ferida?

Se tudo é sal, como deixar de ser pranto?

Tudo é imaterial e sensível
Bolha translúcida sob o amarelo

Um comentário:

bomqueiroz disse...

Como acreditar, se tudo é dúvida?
Como ser insensível, se tudo sente?
Como ser o abismo, se não existe chão?