terça-feira, agosto 26, 2008

Meu queixo descansa em teu ombro adormecido
e meus olhos perdem-se na curva
traço entre uma pinta e a outra no mapa das tuas costas

Canta uma voz conhecida os músculos exaustos do teu corpo
(em que me atiro feito sabiá em manhã de segunda-feira)
feito rio em correnteza

Um comentário:

Karam Valdo disse...

A cada verso vc me surpreende mais.